Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

Músico carioca Compay Oliveira lança segunda parte da trilogia “Balanço Oculto”, estreia de seu projeto NINGUÉM

Depois de estrear seu trabalho solo anunciando uma trilogia, NINGUÉM amplia o escopo sonoro e lírico do projeto com “Balanço Oculto, Vol. II”. O beatmaker/ritmista, compositor e produtor musical carioca Compay Oliveira reimagina, ressignifica e recria a pós-MPB com olhar de vanguarda, reverenciando o passado e refletindo o presente. O novo EP já está disponível nas principais plataformas de streaming.

A trilogia “Balanço Oculto” está ancorada na rítmica e lírica aberta por Jorge Ben Jor na música brasileira. Compay mergulha ainda na estética dos artistas brasileiros entre os anos 90 e 2010, quando formou suas aspirações como compositor ao observar aqueles que fugiam às regras e não se rendiam aos padrões. 

O interesse pela música por um prisma de criação coletiva foi gestado na Orchestra Binária, trio que passou a integrar em 2004, mas foi ainda na adolescência, na Cidade de Deus, que o músico foi se formando. A partir desse momento, foi ganhando a bagagem musical que deu origem à trilogia que NINGUÉM revela agora.

“Esteticamente, eu diria que este EP, por representar a sequência de um prólogo (Balanço Oculto, Vol. I), tem a função de desdobrar uma ação de ampliação do espaço que procuro criar como minha forma pessoal de expressão artística. Sem me escorar numa aura retrô passadista, e também sofrer uma ansiedade contemporânea pelo desejo do atual neste momento, alarguei meu arco musical de sonoridades recorrendo a toques, batidas, instrumentos, cadências, enfim, que me remetiam às obras dos Originais do Samba, Trio Mocotó, Bebeto, Branca Di Neve, entre outros, para entoar versos próprios à minha personalidade, sensibilidade, imaginação, interesses, espírito”, resume.

Compay Oliveira atua na cena independente carioca desde o início dos anos 2000. Agora, seu trabalho solo começa a ganhar forma com a trilogia “Balanço Oculto”, cujo primeiro volume foi lançado em 2020, seguido do single “Menos que Nada”. Esses primeiros lançamentos chamaram atenção da mídia especializada dentro e fora do país, como na rádio KBCS (EUA) e Sounds and Colours (EUA/Reino Unido).

Enquanto a primeira parte do projeto trazia tons jamaicanos, graças à colaboração com o produtor e baterista Fernando ChinDub, atuante na cena reggae e dub de São Paulo, agora o músico se volta para suas origens no sambalanço e samba rock somando a produção de multiartista Arthur Martins. Helder Dutra e Marcio Silva, que integram a Orchestra Binária ao lado de Compay, surgem com Ocres de Nantes nos coros. Cuíca, reco-reco, ganzá, surdo e agogô dividem e somam à guitarra e piano rhodes, tudo no balanço do duo de sopros formado por trombone e trompete.

Em meio a beats e toques, riffs e roques, NINGUÉM ecoa suas raízes para criar uma voz própria. O resultado são três canções que abrem mão de qualquer pretensão retrô ou ansiedade contemporânea. O músico se guia pela própria guitarra para criar divisões rítmicas e questionamentos líricos. 

Não há respostas definitivas em “Balanço Oculto, Vol. II”. Em “Fora do alcance”, Compay provoca: “Imagina você querendo falar comigo / Querendo entender, especulando um sentido”, seguida pela interrogação que surge em “O que chega agora estava aqui”: “Uma época se consome / O que há de novo no horizonte?”, concluindo em “Eles caminham entre nós” com “Que perigo é esse? / Que beleza é essa?”, um fim que questiona o próprio sentido de finitude.

Assim como NINGUÉM se faz alguém no novo cenário alternativo carioca, “Balanço Oculto, Vol. II” é uma declaração de presença notória e de maturidade palpável de um compositor que evolui sua estética musical a cada lançamento. O novo álbum está disponível nas principais plataformas de música.

  • https://stm16.xcast.com.br:7334/