Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

AFI compartilha nova faixa “Tied to a Tree”

“Esta não é apenas minha música favorita do disco, mas uma exemplificação da evolução da banda”, diz o guitarrista Jade Puget.
Na semana passada, a AFI lançou um concurso de remix  para seu recente single “Dulcería“. O concurso pode ser encontrado no site interativo 360°  The Bodies Experience, no qual os fãs podem baixar os trechos da música e criar suas próprias interpretações sobre a faixa. As melhores inscrições serão exibidas online e ganharão prêmios exclusivos, incluindo um “golden ticket” para futuros shows da AFI. O prazo para inscrição é sexta-feira, 4 de junho, às 23h59, horário do Pacífico.
A banda também lançou recentemente a The Ritual Collection, uma nova linha de produtos que pode ser encontrada exclusivamente no The Bodies Experience. Isso inclui um baralho especial de cartas do oráculo (com uma carta para cada música), velas de oração de soja e incenso – todos os itens adequados para a nova faixa tenebrosa e taciturna. A arte do visualizer de “Tied To A Tree” é baseada na arte encontrada no baralho de cartas do oráculo.
OUÇA “TIED TO A TREE”
ASSISTA AO VISUALIZER OFICIAL

AFI são líderes, não seguidores. Um coletivo em perpétuo estado de evolução criativa, tão fluido quanto as figuras evocativas se contorcendo na capa de Bodies, sua mais nova coleção de canções. O álbum é uma foto instantânea de artistas implacáveis em movimento, despreocupados com concessões ou demandas externas.
A conexão inabalável da AFI com seu público é uma prova do talento da banda para reinvenção, renovação e exploração, ancorada por uma autenticidade imaculada. As canções da AFI estão embutidas no DNA espiritual de uma legião de apoiadores, e Bodies é mais uma demonstração do comprometimento inabalável da AFI com a exploração artística, uma conjuração sombria de uma musa incapturável. O álbum foi produzido pelo próprio membro da banda Jade Puget, mixado por Tony Hoffer (M83, Phoenix, Silversun Pickups) e masterizado por Vlado Meller (Oasis, Pink Floyd).
A banda inicialmente invocou uma onda subcultural estável em meados dos anos 90, desprovida de ambições carreiristas. Fez música pela primeira vez como adolescentes desajustados em uma cidade obscura do norte da Califórnia, montando continuamente um catálogo denso ao longo dos anos, marcado por sua diversidade e autenticidade.
“A AFI é uma parte importante de quem eu sou. O que fazemos com a AFI juntos é uma base para mim”, explica o vocalista Davey Havok. “Voltar é um retorno a uma casa que sempre conheci.”
É um sentimento compartilhado por toda a banda. “Eu não poderia fazer o que faço na AFI em nenhum outro lugar”, observa o guitarrista Jade Puget. “Davey e eu escrevemos canções juntos há mais de 20 anos. Não consegui encontrar o que ele e eu temos juntos em nenhum outro lugar, nem o que nós quatro temos quando nos encontramos. AFI é um lar para mim e sempre será isso. ”
“Neste ponto, não é nem mesmo uma escolha. É apenas o que eu faço”, concorda o baterista Adam Carson. “Eu comecei essa banda com Davey quando tinha 16 anos. É algo que amo muito. É uma parte de mim.”
“Cada álbum é uma oportunidade de mostrar às pessoas um momento de nossa evolução”, acrescenta o baixista Hunter Burgan. “E com essa banda, é sempre algo novo. Nós tocamos juntos por tanto tempo que eu tenho um profundo entendimento do estilo musical de cada um dos meus companheiros, mas ainda estou agradavelmente surpreso com as coisas novas que eles trazem para cada gravação. ”
“Qualquer pessoa que conheça nosso catálogo sabe que não há dois discos realmente iguais”, aponta Puget. “Alguns estão um pouco mais perto, talvez. Nós fazemos certas coisas, apenas em virtude de quem somos, que são consistentes, mas essas coisas acontecem organicamente. Cada vez que fazemos algo, eu tenho que julgar pelos seus próprios méritos. Alguns fãs vão julgar um novo álbum, ou uma nova música, com base no que veio antes. Porém, como artistas, não podemos fazer isso, porque só iria atrapalhar a nossa criatividade. ”
AFI nunca entrou no mainstream; as massas iam até eles. O sucesso de platina de Sing the Sorrow abriu caminho para uma geração desprovida de bandas de hardcore-punk, para um crossover semelhante. O Decemberunderground de 2006 superou novamente as expectativas, e rendeu à AFI uma segunda placa de platina. Crash Love foi outra virada aventureira, com melodias expansivas e quase otimistas, brilhando de emoção. O assombroso Burials chegou quatro anos depois, estreando no Top 10 da Billboard 200. O álbum autointitulado que se seguiu, comumente chamado de “The Blood Album“, tornou-se o segundo álbum de maior sucesso da AFI desde seu início, estreando no No. 5 em 2017. Após o lançamento de AFI (The Blood Album), a banda não se contentou em descansar. A AFI lançou então, em 2018, outra adição altamente elogiada à sua discografia, The Missing Man EP.

  • https://stm16.xcast.com.br:7334/