Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

Composição de Karinah e Moacyr Luz é destaque em noite de eliminatórias na Mangueira

A Estação Primeira de Mangueira realizou, na noite deste sábado (16), mais uma eliminatória da disputa para escolher o samba que vai ecoar na Marquês de Sapucaí no carnaval do ano que vem com o enredo “A Negra Voz do Amanhã”, uma homenagem à Alcione. O Samba 17, composição de Karinah, Moacyr Luz, Pedro Terra, Gustavo Louzada, Compadre Xico e Valtinho Botafogo foi ovacionado pelos foliões que agitavam a quadra da agremiação. Ao todo, oito obras seguem na disputa, que tem a final marcada para o dia 07 de outubro. 

A criação de Karinah, Moacy Luz e parceiros remete tem uma linha melódica muito próxima aos sambas que se tornaram verdadeiros hinos entre os anos 1960 e 1990, onde o refrão é mais leve, contagiante e fácil de cantar. A letra revisita momentos importantes da vida de Alcione, celebra o legado que ela construiu na música brasileira, e a sua atuação social. A canção homenageia também Erê, uma entidade do candomblé que protege as crianças, fazendo uma menção ao Programa Social da Mangueira, fundado por Marrom e apadrinhado por Karinah.

“Esse samba mexeu muito comigo. A história de vida da Alcione se parece em alguns momentos com a minha. Me lembro de quando, ainda criança, assistia aos desfiles pela televisão, o desejo de um dia poder conhecer uma escola de samba e hoje eu me vejo aqui dentro. Esse momento está sendo muito especial para mim”, celebra Karinah. “Tenho um amor incondicional pelo samba, pela escola e pela Marrom, que sempre foi uma grande referência musical e hoje tenho a sorte de chamar de amiga. Ela merece todas as homenagens! Eu acredito muito nesse samba e, se Deus quiser, ele vai para a avenida”, conta.

“O samba-enredo tem dois papéis fundamentais: contar uma história que vai ser mostrada visualmente em fantasias e alegorias e gerar comunicação com o público. Acho que essa comunicação com o público que foi se perdendo de uns anos pra cá e um dos fatores que atribuo a isso é o samba ter se tornado escravo de descrever fielmente o desfile em detrimento da própria poesia que muitas vezes está na singeleza do verso”, explica Pedro Terra. “Acredito que o nosso samba una esse aspecto mais moderno de descrever as passagens visuais e narrativas do enredo, mas busca se reaproximar da interação com o público para novamente ousar romper os muros das quadras das escolas de samba e as arquibancadas da Sapucaí”, conclui.

Um enredo sobre a Alcione tem esse potencial. É uma história conhecida nacionalmente e o Samba 17 tem alcançado ouvintes no próprio Maranhão, terra natal de Marrom. “Ninguém melhor que a Mangueira e a Alcione pra fazer essa aproximação de públicos. Isso tudo tendo muito cuidado e respeito com as principais características dos sambas da Mangueira. Versos alongados que favorecem o canto e se encaixam à cadência do surdo de primeira da bateria. Versos iniciais e finais aguerridos, corpo do samba melodioso e dolente. Refrões curtos e empolgantes “, comemora Pedro.

O clipe, que foi dirigido por Karinah e pelos outros compositores em parceria com a Medusa Filmes, foi gravado no Complexo da Mangueira com a participação das crianças assistidas pelo Programa Social da Mangueira, eleito pela UNESCO como o maior programa social do mundo. 

Todavia, a relação com a verde e rosa não para por aí. Apaixonada pelo carnaval, a estrela já brilhou na Marquês de Sapucaí como musa da escola, mostrando que também tem muito samba no pé. Indo além, após um convite de Chiquinho da Mangueira e da própria Alcione, ela se tornou madrinha do Programa Social da Mangueira. 

“Eu aceitei o convite porque, além de mangueirense, eu tenho uma história muito bonita com a escola. É uma grande oportunidade também de uma mulher entrar para a ala de compositores, assim como começou lá atrás com Leci e Brandão e Ivone Lara. O samba me colocando nesse lugar de compositora, para mim, é uma dádiva. Sem contar que é uma honra assinar uma composição ao lado do Moacyr Luz, que é uma grande referência como compositor e pessoa”, finaliza a cantora.

Karinah canta a força da mulher e sua liberdade, abrindo caminhos para a geração seguinte e é uma figura fundamental para a ampliação do espaço das mulheres em um ambiente historicamente dominado por homens. Possui 3 álbuns de estúdio e 1 álbum visual, o Karinah Por Elas, que foi exibido com exclusividade pelo Multishow e está disponível no Globoplay. A música “Medo de Amar” fez parte da trilha sonora de “Salve-se Quem Puder”, novela da TV Globo. 

  • https://stm16.xcast.com.br:7334/